Sobre amar nos tempos do tinder

Ele passou um ano comentando sobre como desejava encontrar um amor, sentir-se arrebatado e tirar os pés do chão. Foi no tinder que ele a conheceu. Linda e engraçada, foi assim que ele a descreveu.Engataram um namoro, mas ela morava pra lá da zona oeste e não sabia dirigir, o namoro então começou a ruir, disposto a encontrar defeitos onde pudesse encontrar ele conseguiu. Por fim, voltou pro tinder, afinal ele quer amar, mas precisa ser alguém como definiu Cazuza, que “caiba no seu sonho”. Ora que contradição, pois, para poder tirar os pés do chão é preciso sair da zona de conforto. Quanto tempo vai levar pra história se repetir? Vamos acompanhar ouvindo Cazuza “Senhor piedade,lhes dê grandeza e um pouco de coragem”.

Menos certezas, mais experiências!

Essa semana tive contato com a história de um casal que se conheceu pelas redes sociais, descobriram afinidades e iniciaram um relacionamento, mas não conseguiram ficar juntos muito tempo. O homem achava-se muito mais velho que a mulher e temia que ela o deixasse porque ele não poderia ter filhos. Ele terminou o relacionamento através de uma mensagem, (estranho?! Ou será uma característica de uma sociedade cada vez mais habituada a se relacionar pelo celular?), alegando não ter coragem de terminar pessoalmente. Ela ficou arrasada. Mas com o passar dos dias percebeu que deveria investir sua energia em sua própria vida. Ele por sua vez permaneceu cheio de certezas e poucas experiências. Alguém conhece uma história semelhante? Quantas vezes por medo deixamos de viver coisas boas? Quem garantia que ela o deixaria? E por outro lado como disse o poeta o amor, ah o amor…que seja eterno enquanto dure. Então permita-se.